Entre os dias 5 e 8 de fevereiro, foi realizada a qualificação de 1,4 mil educadores do Cabo de Santo Agostinho (PE). A formação aconteceu nas escolas Dr. Marivaldo Burégio de Lima e Prof. Ariosto Nunes Martins e teve como objetivo apresentar aos professores e gestores da rede municipal de ensino a metodologia de Educação Emocional e Social desenvolvida pela Inteligência Relacional. Chamada Liga Pela Paz, visa desenvolver a empatia, o diálogo, a resolução de conflitos e a cooperação, alicerces da construção de uma Cultura de Paz.

Segundo a Líder de Conteúdo da Área Pedagógica da Inteligência Relacional, Maria Tereza de França Souza, a educação emocional visa ao desenvolvimento integral do ser humano. “A partir disso se considera também as competências emocionais, incluindo a consciência e regulação emocional, com a identificação e nomeação da emoção em si e no outro e a percepção de que existe uma relação entre emoção, pensamento e comportamento, e como isso pode ser aplicado no contexto escolar. Já a regulação é saber lidar com o que se sente, para que seja algo adequado ao contexto, proporcionando maior qualidade de vida para mim e para minhas interações pessoais”, explica.

De acordo com a Secretária de Educação do Cabo Sueli Nunes, os participantes da formação fizeram excelentes depoimentos. “Eles entenderam que a cultura de paz parte de uma ressignificação interior, e vivenciando essa harmonia podem construir uma cultura que vai transformar os alunos e a comunidade. A partir do dia 15, quando as aulas começam, vamos acolher os estudantes e colocar tudo isso em prática com os alunos e os pais”, pontua ela.

Para Werlânia Maria da Silva, professora da Educação Infantil da Escola Amaro PE Cavalcanti, a temática é bastante pertinente ao contexto escolar. “Às vezes passamos por algum problema em casa, ou na rua mesmo, e chegamos na sala de aula agitados, com uma carga pesada. E os alunos também trazem sua carga de casa. Muitos passam por situações de violência e de maus tratos e essa combinação costuma resultar em problemas de relacionamento. Mas agora vamos voltar às aulas com mais calma e prontas para ajudá-los”, conta.

Já a gestora escolar das unidades do Núcleo 5, Auxiliadora Silva, diz que está muito feliz de ver um assunto tão importante ser levado para dentro das escolas. “É algo fundamental tanto para os professores quanto para os alunos, incluindo toda a comunidade escolar. Trabalhar a Cultura de Paz vai ajudar a tornar o ensino mais humano, quebrando paradigmas, fazendo com que as pessoas consigam se colocar no lugar umas das outras”, comenta.

Elizeu Gomes, coordenador da Escola Manoel Davi Vieira da Costa, comenta que toda ferramenta para melhorar a aprendizagem é recebida de braços abertos. “A gente, hoje, não sabe conversar, vai logo discutir e brigar. É fundamental aprender a amenizar conflitos”, pontua. Para a professora Marinalda da Silva, da Escola Municipal Marquês do Recife, a Educação Emocional e Social vai proporcionar recursos para melhorar o relacionamento entre professor e aluno. “Eles apresentam comportamentos muito violentos, mas a gente vê que é algo que vem de casa. Eu me sentia sem apoio, mas agora podemos mostrar a eles que há outras opções, um outro jeito de se comunicar além da violência”, pontua.

As aulas no município do Cabo de Santo Agostinho começam no dia 15 de fevereiro. Serão beneficiados com a metodologia de educação socioemocional 29.714 alunos e cerca de 3 mil educadores da Educação Infantil, Ensino Fundamental I e II e EJAI (Educação de Jovens, Adultos e Idosos) e toda a comunidade escolar.

Fonte: Inteligência Relacional